Busca

Doce Viagem

O melhor da vida na nuvem

Ainda há tempo

Salvador Dalí

Rabisquei uma oração
para acalmar meu coração
após ver as notícias na televisão

Bem que eu gostaria
de escrever uma poesia
que suavizasse minha ira

Continuar lendo “Ainda há tempo”

A liberdade entre bulas e astros

Lucas sabia que seu destino era diferente do da sua mãe, hipocondríaca, que passou a vida lendo bula e consultando segundas, terceiras e quartas opiniões para doenças que não tinha.

Lucas sabia que seu destino era ser livre, segundo uma triangulação curiosa em seu mapa astral, atestada por dois, três, quatro astrólogos que ele consultou.

Continuar lendo “A liberdade entre bulas e astros”

Oração à Primavera

Marc Chagall: Bouquet rose sur fond bleu

Fiz alguns minutos de silêncio

para acolher a chegada dela

e honrar a despedida

de mais uma fase vivida

Continuar lendo “Oração à Primavera”

Para acolher novos tempos

O pequeno feixe de luz que atravessava o quarto empoeirado por uma fresta da janela era uma presença solitária naquela casa amargurada pelos ventos opostos que insistiam em chacoalhar sua estrutura.

O clima naquela região do país havia mudado bruscamente – a primavera, em vez de colorir e perfumar os ambientes, ressecava as paredes externas, que despelavam em camadas cada vez mais profundas; o verão, agora de escassas tempestades, expirava para dentro da casa o cheiro de mofo das memórias de dias felizes cada vez mais distantes; as rajadas de vento do outono rasgavam os papéis de parede, expondo feridas antigas, mas ainda presentes no concreto esfacelado; o inverno, enfim, selava os ecos das sombras durante as noites extensas e geladas da mais pura solidão.

Continuar lendo “Para acolher novos tempos”

Entre

Fico pensando no vício do imediatismo, como queremos tudo para ontem, para não perder tempo, ainda que o tempo já esteja irremediavelmente perdido.

Fico pensando nessa insistência pela recompensa, como se nosso cérebro só operasse sob essa condição, como se fôssemos seres onipotentes, controladores de tudo e de todos.

Continuar lendo “Entre”

O primeiro encontro

Em outros tempos, em uma outra época, a gente se encontraria em um café despretensioso, onde você notaria como brinco com a colher, só para acariciar o café amargo, em um súplica silenciosa para ter coragem para fitar seus olhos.

Continuar lendo “O primeiro encontro”

O Adeus

A gente não gosta de pensar na morte

porque ela representa um corte

só que talvez não seja assim

ela pode não ser um fim

Continuar lendo “O Adeus”

Maria Quitéria

Talvez você não reconheça o nome dela, pois na escola ela não rendeu matéria. Se fosse em outro país, sua história certamente já teria ganho as telas.

Todo mundo sabe que no século XIX o Brasil era outro. Às mulheres dava muito desgosto – principalmente, àquelas que, como Maria Quitéria, tinham muito na mente e medo nenhum de ser independente.

Continuar lendo “Maria Quitéria”

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: