Busca

Doce Viagem

O melhor da vida na nuvem

Chico, o papagaio da fadista

Foto: @tatirlima

Mal entrei na casa da artista e um agudo ecoou no ambiente. Não era uma nota musical, mas um aviso de que (mais) uma parte de Amália Rodrigues se mantém viva e atende pelo nome de Chico.

A rainha do fado era fã de papagaios. Chico conviveu com ela entre 1991 e 1999, ano de sua morte. Nativa da África Subsaariana, essa espécie cinzenta, quase prata, é considerada a mais inteligente do mundo. Quando abre as asas, revela uma cauda cor de sangue.

Continuar lendo “Chico, o papagaio da fadista”

Sinto falta da poesia…

Foto: @tatirlima

Da visita da joaninha bem-vestida
Do contágio pela música no rádio
Do alívio com a garoa fina
Da cura de um abraço apertado
Do cheiro de café que inebria
Da fruta roubada do pé
Do destempero das maritacas
Do olhar de quem arde de paixão
Dos retratos amarelados de outrora
Do propósito inabalável das formigas
Da alquimia de temperos na cozinha
Da sabedoria silenciosa de uma árvore
Da dor na barriga pela gargalhada
Do encanto do simples e essencial
Da santidade de um beija-flor
Da surpresa do inesperado
Da lágrima corajosa de uma emoção Da leveza da borboleta se despedindo da vida

Continuar lendo “Sinto falta da poesia…”

Enola Holmes e a linguagem do leque

Quem já assistiu Enola Holmes 2 deve ter se divertido com a cena do baile, em que a irmã caçula do investigador mais famoso do mundo descobre que o leque não era utilizado somente como acessório de moda ou para trazer algum refresco para os dias, tardes e noites mais quentes. Os abanadores expressavam sentimentos e intenções da dama para o cavalheiro.

Continuar lendo “Enola Holmes e a linguagem do leque”

A poeta rendeira de Óbidos

Natália Santos, a poeta rendeira de Óbidos (Foto: @tatirlima)

Nem só de História e ginjinhas vive Óbidos. Ao lado das muralhas do castelo, na antiga igreja de Santiago, hoje uma livraria, reside uma rendeira de fios e versos chamada Natália Santos. Ela se instalou no antigo coreto a convite da Câmara da cidade em 2015. Desde então, recebe os visitantes com um sorriso nos lábios enquanto tece poesia e entrelaça fios dourados e prateados, vendidos como uma joia única.

Continuar lendo “A poeta rendeira de Óbidos”

O que sobrevive

Gonçalo Anes é conhecido na terra de Camões como Bandarra, palavra relacionada à boemia ou vadiagem, segundo me contaram lá na sua terra, a aldeia de Trancoso. Ele ganhou tal acunha pelas noitadas nas tabernas, o que de forma alguma o definiu. Nascido no fim do século XV, esse personagem tornou-se uma figura ilustre na sua região e no seu país.

Continuar lendo “O que sobrevive”

A janela no homem

O céu ainda está escuro quando ele se senta em frente à janela do segundo andar do sobrado cor de terra. Passa o dia a observar o horizonte, sem esboçar uma reação, além de um discreto sorriso, perceptível pela covinha atrevida na bochecha direita. Parece inerte, quase apático, mas a verdade é que o seu interior está inundado pelo mundo à sua frente – a temperatura, os cheiros, os barulhos, os seres.

Continuar lendo “A janela no homem”

A escrita noturna

Quase 23 horas. O sono já bate à porta, mas sou sequestrada por aquela vontade de escrever aleatoriamente, sem julgamento, sem rumo. Brota em mim como desejo incontrolável de grávida, que parece não ter sentido, mas pulsa com um único propósito: realização.

Ou será simplesmente satisfação?

Continuar lendo “A escrita noturna”

Um encontro com Marina Colasanti

Marina, durante “Encontro com Escritores”, promovido pela Casa Museu Ema Klabin

“Sou completa”, disse a elegante senhora, sem falsa modéstia ou arrogância. Artista plástica, ilustradora e escritora, Marina Colasanti, a dona de quatro Jabutis, entre outros prêmios, encanta com a sua sabedoria e simplicidade.

Aos 85 anos, ela tem a elegância de quem não se rende a modismos, de quem não quer convencer ninguém de nada, muito menos carregar ideias ou palavras de outras pessoas só para agradar ou se sentir parte de algo. É daqueles raros seres que mais querem ouvir e refletir do que falar, mesmo sendo o centro e a razão de encontros como o promovido pela Casa Museu Ema Klabin, um dos espaços mais privilegiados, em todos os sentidos, de São Paulo. 

Continuar lendo “Um encontro com Marina Colasanti”

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: