Busca

Doce Viagem

O melhor da vida na nuvem

Entre um mundo e outro

IMG_9384
Livros na janela em São Roque (SP): o convite entre dois mundos

Antes mal existia uma porta, que sempre aberta, parecia invisível na casa de cômodo escuro, entulhado de roupas, papelão, móveis, objetos. Só depois da pandemia, a porta azul apareceu, espelhando o gentil céu de outono. Já não passa mais despercebida, com o colorido que impõe à rua vazia. Revelou-se também uma guardiã de segredos – não de itens materiais, mas de valorosas almas humanas. Continuar lendo “Entre um mundo e outro”

Mais um dia ou um dia a mais?

Mais um dia
de silêncio exterior
de balbúrdia interior
de asfixia

Continuar lendo “Mais um dia ou um dia a mais?”

A realidade à luz da filosofia

191113-profluciahelena-108
Lúcia Helena Galvão, professora, poetisa e filósofa (Arquivo Pessoal)

Nem nesse período de isolamento social, a Professora Lúcia deixa de produzir. Ela não está cruzando o Brasil, de ponta a ponta, como costuma fazer, mas continua gerando conteúdo, promovendo palestras e participando de lives que desembaraçam Platão, Aristóteles, Cícero, Kant e outros tantos filósofos capazes de nos ajudar a compreender esse momento. “O grande desafio será, com certeza, reconstruir a vida quando a avalanche passar. Muita gente desempregada e faminta, e poucas soluções a curto prazo. É impossível pensar que as autoridades resolverão tudo, que “não é problema meu”. A autoridade que resolve, aí, é a humana, ou seja, a responsabilidade por sermos o que somos: seres humanos.” Continuar lendo “A realidade à luz da filosofia”

Como a leitura frutifica

Roberta: leitora, contadora de histórias e livreira, na sua Mandarina (Arquivo Pessoal)

Roberta nunca se esqueceu das visitas que fazia à casa da avó quando era criança. Ela nem sabia ler, mas já gostava de se acomodar junto à estante de livros. Lembra-se do esforço que fazia para segurar aqueles volumes de capa dura do Sítio do Pica Pau Amarelo, de Monteiro Lobato. Cada página que virava era um tesouro que ela desenterrava. O cheiro abafado, aqueles que só os livros antigos sabem exalar, entorpecia a imaginação da menina, que degustava o formato das letras e se divertia com as ilustrações. Ali, meio sem querer, como uma brincadeira, Roberta abriu o primeiro de muitos portais mágicos de histórias.  Continuar lendo “Como a leitura frutifica”

O Sal da Terra

Aline, em um raro clique na sua “miniatura de fábrica” (Arquivo Pessoal)

Como quase todo mundo, Aline sente dificuldade de se definir. Quando reflete sobre a sua jornada, ela só enxerga um processo lento, mas contínuo e muito sutil. Tudo lhe parece tão familiar, tão íntimo e intrínseco, que nem repara na beleza da sua narrativa. “Venho de uma família de imigrantes, de pessoas muito simples, mas com uma atitude muito positiva e otimista perante a vida, dispostas a estarem juntas, trabalharem e serem pessoas melhores. Minhas avós (tanto materna quanto paterna) eram apaixonadas por plantas e sempre tinham alguma pomada para picada de insetos (se bem que o perito mesmo era o meu avô Humberto) ou chás para isso e para aquilo. A minha mãe estava sempre experimentando flores do sítio para preparar perfume. Seu aroma favorito era da flor de coqueiro. Hoje vejo que várias pequenas coisas foram acontecendo ao longo da minha vida e que todas, mesmo as mais simples, me levaram para o caminho que trilho hoje.” Continuar lendo “O Sal da Terra”

O Copo da Felicidade

Fran: criatividade, dedicação e uma boa dose de amor para manter o copo sempre cheio (Arquivo Pessoal)

Para alguns, o Copo da Felicidade leva creme de leite ninho, morango, mousse de chocolate e brownie; para outros, creme de Nutella, doce de leite e pão de mel. A Fran tem essas receitas todas – e outras também. Continuar lendo “O Copo da Felicidade”

Há quem diga…

Foto: Pixabay

Há quem diga / que no confinamento / não há poesia.

Continuar lendo “Há quem diga…”

[Músicas e Histórias] “Eu deixei a pintura compor a canção para mim”

1200px-Van_Gogh_-_Starry_Night_-_Google_Art_Project
Foto da Wikipedia – Tela “A Noite Estrela”, de Junho de 1889, pertence ao MoMa

Assim explicou Don McLean a criação de Vincent, tributo que prestou na década de 1970 a Van Gogh[1]. A ideia surgiu, segundo o compositor, após ler uma biografia do pintor holandês. Em entrevista ao inglês The Telegraph, ele confessou que ficou tão tocado pela história que decidiu desmistificar o mito de que Van Gogh era louco[2]. Continuar lendo “[Músicas e Histórias] “Eu deixei a pintura compor a canção para mim””

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: