Como filhos de Hebe, a deusa da Juventude e da Imortalidade, nós surtamos a cada ruga e fio de cabelo branco. Em maior ou menor proporção, investimos parte do nosso salário e tempo para barrar ou desacelerar um processo que, gostando ou não, é natural. Esquecemo-nos que o mais difícil ainda está por vir: a perda de autonomia, refletida nos passos mais cuidadosos, no fôlego mais curto ou na memória roubada. Como nos preparamos para isso? Como será o nosso futuro? A fotógrafa Nellie esbarrou nessa e em outras questões quando a mãe foi diagnosticada com Alzheimer há mais de dez anos.  Leia Mais