Pixabay

Será que adoçamos o sorriso com a mesma intensidade com que salgamos às lágrimas?

Será que sorrimos para a vida com a mesma intensidade com que choramos com a morte?

Será que celebramos a presença com a mesma intensidade com que sentimos a ausência?

Será que desfrutamos da calmaria com a mesma intensidade com que mergulhamos na tormenta?

Será que abraçamos o desconhecido com a mesma intensidade que nos agarramos ao conhecido?

Será que confrontamos os (re)começos com a mesma intensidade com que nos deparamos com as despedidas?

Será que contemplamos o invisível com a mesma intensidade com que cultivamos o visível?

Será?

Continuar lendo “Para refletir”