João Cabral/Pexels

O céu já estava escuro, quando passos começaram a ecoar pelo parque vazio.

“Só pode ser um homem”, sussurrou o menino, tentando injetar personalidade àquele eco, ora desalinhado, ora batuta, como se aquele ser corresse de alguma coisa ou para alguma coisa.

“Shiiiiiiu”, exigiu a menina, cujo pescoço se esticava e revirava como uma coruja, em busca da figura obscura ou da presa, pronta para defender o seu ninho ou garantir o seu sustento.

As árvores não ajudavam – inquietas, elas provocavam umas às outras, cutucando o vento com os seus longos braços cabeludos. Escondiam quem era observada, escondiam quem observava também.

“Eu viiii”, comemorou o menino.

“O quê?”, retrucou a menina, um tanto incomodada.

“Sapatos. Pretos.”

“Masculinos?”

“Pequenos?”

“O que você quer dizer com isso?”

O menino chacoalhou os ombros e ficou mudo. O silêncio sucumbia ao som das passadas, cada vez mais próximas.

“Há mais de uma pessoa?”, perguntou a menina.

“Não sei. Já não vejo mais nada.”

Os pequenos sapatos pretos nem imaginavam a intromissão em sua solitária jornada, guiada por uma batalha psicológica, um vai e vem de pensamentos, uma tentativa de fugir ou de encontrar o destino, onde quer que ele estivesse.

O couro bovino natural do sapato italiano comprimia um ponto do joanete que parecia calar toda racionalidade daquela pessoa, dona de canelas elegantes e panturrilhas indecorosas.