Sou óbvia, sou única

Sou fria, sou úmida

Sou uma praia paradisíaca

Sou areia movediça

Sou calmaria, sou ousada

Sou bagunça, sou culpada

Vivo bem sozinha

Vivo o vazio ao lado

Sou contradição, sou transição

Sou o batuque do meu coração

Explodo em minutos

Respiro entre soluços

Quem sou eu

O que será

Não sei

Deixe estar

O tempo dirá

Nada é normal, nada é para sempre

Quem sabe, talvez

No próximo carnaval