Busca

Doce Viagem

O melhor da vida na nuvem

Categoria

Blog Mais um Café?

Bailando pelo papel

Chego ao fim de mais um caderno, por cujas pautas ensaiei quem fui, quem sou, quem sonho ser e quem, talvez, nunca serei. Afinal, não decorei a coreografia e, por vezes, me perdi em um passo diferente, seguindo um compasso sussurrado, quem sabe, pelo vento. Aprendi com Clarice que nada às vezes faz sentido, nem precisa fazer eternamente – basta um instante, um instante de um segundo, um minuto, uma hora, um dia, uma semana, um mês, um ano, uma vida. Sem sapatilha, suja de tinta, sigo a melodia silenciosa, ou talvez seja misteriosa, porque parece que ninguém mais a escuta, só meus pés a conhecem, só minha mão direita é capaz de traduzi-la. Uma confusão única, obra de uma existência.

Esse post foi originalmente publicado no blog Mais Um Café?

Quem Eu Sou

Não sou um deserto

Sem sentimento

Sem horizonte

Sem casamento

Continuar lendo “Quem Eu Sou”

Vamos conversar sobre Clarice Lispector?

Tela “Pássaro da Liberdade”, por Clarice Lispector (IMS)

Foi Caio Fernando Abreu quem melhor expressou o que eu sentia sobre Clarice Lispector. “Ela é demais estranha”, escreveu à Hilda Hist. “Ela é exatamente como seus livros: transmite uma sensação estranha, de uma sabedoria e de uma amargura impressionantes. (…) Tem olhos hipnóticos quase diabólicos.”

É claro que eu não cheguei a conhecê-la pessoalmente e, talvez, por isso nunca tenha tido “febre e taquicardia” como o escritor gaúcho. Só que ela também sempre causou em mim uma perturbação com seus textos, suas analogias profundas, suas personagens sofridas, suas frases enigmáticas e seus desabafos literais. Eu nunca consegui dizer “gostei”, mesmo compartilhando, vez ou outra, daquela “felicidade clandestina”.

Senti-me, sempre, pressionada não só pelo alvoroço da mídia, críticos e fãs, mas pela presença de Clarice, que me rondava e me observava, não à espera do meu veredito, mas do momento mais apropriado para me condenar. Quem sou eu, afinal, para ser impermeável a ela?

Soprei esses fantasmas para longe ao descobrir Haia, nome verdadeiro dela, cuja origem remete à palavra “vida”. Sua mãe Mania, ou Matilde, como veio a ser conhecida no Brasil, era portadora de uma doença degenerativa. A família da Tchetchelnik, na Ucrânia, apegou-se à crença de que um filho tem o poder de curar a progenitora de uma doença. Foi assim que Leia e Tania ganharam a irmã caçula. A superstição não se cumpriu: a criança nasceu e a mãe, já debilitada, faleceu cerca de dez anos depois.

Em uma de suas crônicas, Clarice escreveu: “E sinto até hoje essa carga de culpa: fizeram-me para uma missão determinada e eu falhei. Como se contassem comigo nas trincheiras de uma guerra e eu tivesse desertado. Sei que meus pais me perdoaram por eu ter nascido em vão e tê-los traído na grande esperança. Mas eu, eu não me perdoo. Quereria que simplesmente se tivesse feito um milagre: eu nascer e curar minha mãe.”

Meses antes de morrer, Clarice descobriu por uma tia que a mãe mantinha um diário, onde descrevia sua rotina e escrevia poesias. Gosto de pensar que, com essa descoberta, a caçula fez as pazes consigo mesma, pois descobriu que cumpriu seu propósito, ou a missão que lhe foi confiada, ao eternizar, ainda que inconscientemente, aquela parte secreta de sua mãe: a escrita. Talvez isso explique até o domínio compulsivo, quase sobrenatural, que essa arte ou exercício mantinha sobre ela. Na mostra “Constelação Clarice”, no Instituto Moreira Salles – IMS , é possível ver um de seus rabiscos: “Escrevi isso não sei porque, acho que é para não deixar de anotar alguma coisa.”

Era orgânico, a escrita servia-lhe como uma função essencial, tal qual respirar. Nessa jornada de descoberta, acolho Haia e Clarice em mim, desejando ardentemente que, antes de seu último sopro de vida, ela tenha conseguido se libertar da culpa ou que tenha se tornado o “Pássaro da Liberdade” (foto) que um dia pintou, sem técnica ou presunção, só leveza e júbilo.

*A exposição no IMS é gratuita e pode ser acessada pelo site. A carta de Caio Fernando Abreu faz parte da obra “Três Vezes Hilda”, da Companhia das Letras.

** Este texto foi originalmente publicado no blog Mais Um Café?

Carlos Ruiz Zafón e a arte de contar histórias

O escritor espanhol mais vendido deste século foi, talvez, o que melhor descreveu o amor pelos livros e o desafio que representa esse ofício de se debruçar sobre palavras para criar histórias de ficção ou não-ficção. Antes de se tornar escritor, aliás, ele fez carreira em Publicidade, abandonando esta profissão aos 28 anos para se dedicar ao seu sonho.

Além de conflitos incrivelmente emaranhados, a saga O Cemitério dos Livros Esquecidos, cujas obras podem ser lidas de forma independente, tem como protagonistas ou coadjuvantes escritores, que descrevem, em várias passagens, o poder das histórias e o romântico, porém penoso, trabalho para criá-las.

Em O Jogo do Anjo, um dos títulos da série, Carlos Ruiz Zafón ensina:

1. “O que quero é que encontre um modo inteligente e sedutor de responder às perguntas que todos fazemos e que o faça a partir de sua própria leitura da alma humana, pondo sua arte e seu ofício em prática. Quero que me traga uma narrativa que desperte a alma humana.”

2. “[as fábulas] Ensinam que os seres humanos aprendem e absorvem ideias e conceitos através de narrativas, de histórias, e não de lições magistrais ou discursos teóricos. Esse mesmo ensinamento é transmitido por qualquer texto religioso. Todos eles são relatos de personagens que enfrentam a vida e superam obstáculos, figuras que embarcam em uma viagem de enriquecimento espiritual através de peripécias e revelações. Todos os livros sagrados são, antes de qualquer coisa, grandes histórias cujas tramas abordam os aspectos básicos da natureza humana, situando-os em um contexto moral e no limite de determinados dogmas sobrenaturais.”

3. “A inspiração virá quando fincar os cotovelos na mesa, o traseiro na cadeira e começar a suar. Escolha um tema, uma ideia, e esprema o cérebro até doer. É isso que se chama inspiração.”

4. “A literatura, pelo menos, a boa, é uma ciência com sangue de arte. Como a arquitetura ou a música. (…) A única coisa que brota sem mais nem menos é pelo e verruga.”

5. “Um escritor nunca esquece a primeira vez que aceita algumas moedas ou um elogio em troca de uma história. Nunca esquece a primeira vez que sente o doce veneno da vaidade no sangue e começa a acreditar que, se conseguir disfarçar sua falta de talento, o sonho da literatura será capaz de lhe garantir um teto, um prato quente no fim do dia e aquilo que mais deseja: seu nome impresso em um miserável pedaço de papel que certamente vai ver mais do que ele. Um escritor está condenado a recordar esse momento, porque, a partir daí, ele está perdido e sua alma já tem um preço.”

6. “Os livros tinham alma, a alma de quem os tinha escrito e de quem os tinha lido e sonhado com eles.”

Quem disse que não há verdades na ficção?

*Artigo originalmente publicado no LinkedIn e no blog Mais Um Café?.

Uma Vida sem Waze

BuzzFeed / Manuel Dietrich Photography

 

Se tinha um propósito na vida, como vários coachings, mentores, psicólogos e especialistas na vida alheia defendiam, o de Laura era esse: nada de monotonia, só felicidade extrema, a qualquer custo. Ela trabalhava duro para isso – malhação pesada, além de visitas semanais à psicóloga, massagista, cabeleireiro, manicure e pedicure. Casou-se, separou-se, adotou um gato, arranjou outro(s) namorado(s), viajou o mundo e conquistou uma vaga super disputada em uma multinacional. Até o dia em que o rótulo de bem-sucedida, junto com todos os outros, deixou de ser suficiente. Nenhum lhe cabia mais. Aquele vazio, mesmo rebocado, fazia um barulho incômodo – como o eco dos pingos do chuveiro na madrugada vazia.

Continuar lendo “Uma Vida sem Waze”

Para refletir

Pixabay

Será que adoçamos o sorriso com a mesma intensidade com que salgamos às lágrimas?

Será que sorrimos para a vida com a mesma intensidade com que choramos com a morte?

Será que celebramos a presença com a mesma intensidade com que sentimos a ausência?

Será que desfrutamos da calmaria com a mesma intensidade com que mergulhamos na tormenta?

Será que abraçamos o desconhecido com a mesma intensidade que nos agarramos ao conhecido?

Será que confrontamos os (re)começos com a mesma intensidade com que nos deparamos com as despedidas?

Será que contemplamos o invisível com a mesma intensidade com que cultivamos o visível?

Será?

Continuar lendo “Para refletir”

Passeio no Parque

Deixo a casa sozinha sem fone de ouvido, sem documento, condenada a desfrutar da minha própria companhia, do anonimato como uma fuga da rotina. Cruzo ruas e pensamentos, desvio de carros e sombras, reparo nas cores e ruínas de uma cidade que insiste em me lembrar da constante transição da vida.

Continuar lendo “Passeio no Parque”

Costura

Fonte: Etsy

Reforcei todos os botões

para confinar a emoção

presente em meu coração

sobre uma camada tênue de erudição

Continuar lendo “Costura”

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: