Busca

Doce Viagem

O melhor da vida na nuvem

Categoria

Blog Mais um Café?

24 horas depois

Ghostbusters(Os Caça-Fantasmas) / Dan Aykroyd‎

Oito horas depois daquela barata cruzar o caminho de Laura, ela ligou para a empresa de dedetização, cujo anúncio havia sido fixado três semanas antes no elevador do prédio.

Uns disseram que era exagero dela; outros, mais inclinados a teorias da conspiração, que havia sido uma jogada de marketing para que ela sentisse a necessidade e adquirisse o serviço.

Continuar lendo “24 horas depois”

Noite do terror

Scream (Pânico) / Drew Barrymore

23 horas no relógio. Laura só queria chegar em casa, tirar uma cerveja da geladeira e comer uma fritura que anestesiasse o estresse de um dia que nunca amanheceu – afinal, foi acordada pelo chefe asiático às 3h30 para gerenciar uma crise sem fim.

Quando enfim voltou para casa, percebeu que a porta estava destrancada. Gelou. Deixou a bolsa no hall e entrou devagar, com os sapatos de salto alto nas mãos. À medida que avançava, acendia as luzes dos cômodos. Sala? Livre! Cozinha? Livre? Banheiro? Livre! Quarto? Liv…

Continuar lendo “Noite do terror”

Reflexões sob o poder de uma agulha

Conheça o trabalho incrível da Lucia Heffernan

O acupunturista me perguntou se eu penso demais. Oras, não é isso que a gente faz? Ok, eu também penso enquanto durmo: nos problemas ou no que considero problemas. Às vezes, questiono o sonho, como se estivesse diante de um roteiro nada plausível. “Ei, mas o que essa pessoa está fazendo aí?”. Para quem lanço essa pergunta? Seria para mim mesmo? Seria para os algoritmos controladores de sonhos? Lembrei-me de um médico, que não era da cabeça, ou era?, que me perguntou se eu era muito estressada. Oi? “Alguém já respondeu que não, doutor?” Fui mais fundo, mais fundo…

Continuar lendo “Reflexões sob o poder de uma agulha”

Reflexões de um passado presente

Wikipedia – Edição de Meditações de 1811, em Inglês.

Entre os livros de não-ficção mais vendidos nos últimos meses de 2021, segundo o PublishNews, está Meditações, do imperador romano Marco Aurélio, uma das obras mais conhecidas da filosofia estoica. Reza a lenda que seu autor, famoso por ter humanizado o poder, apesar das guerras sangrentas que liderou, o concebeu como um conjunto de reflexões a serem entregues ao filho Cômodo após a sua morte.

Continuar lendo “Reflexões de um passado presente”

Bailando pelo papel

Chego ao fim de mais um caderno, por cujas pautas ensaiei quem fui, quem sou, quem sonho ser e quem, talvez, nunca serei. Afinal, não decorei a coreografia e, por vezes, me perdi em um passo diferente, seguindo um compasso sussurrado, quem sabe, pelo vento. Aprendi com Clarice que nada às vezes faz sentido, nem precisa fazer eternamente – basta um instante, um instante de um segundo, um minuto, uma hora, um dia, uma semana, um mês, um ano, uma vida. Sem sapatilha, suja de tinta, sigo a melodia silenciosa, ou talvez seja misteriosa, porque parece que ninguém mais a escuta, só meus pés a conhecem, só minha mão direita é capaz de traduzi-la. Uma confusão única, obra de uma existência.

Esse post foi originalmente publicado no blog Mais Um Café?

Quem Eu Sou

Não sou um deserto

Sem sentimento

Sem horizonte

Sem casamento

Continuar lendo “Quem Eu Sou”

Vamos conversar sobre Clarice Lispector?

Tela “Pássaro da Liberdade”, por Clarice Lispector (IMS)

Foi Caio Fernando Abreu quem melhor expressou o que eu sentia sobre Clarice Lispector. “Ela é demais estranha”, escreveu à Hilda Hist. “Ela é exatamente como seus livros: transmite uma sensação estranha, de uma sabedoria e de uma amargura impressionantes. (…) Tem olhos hipnóticos quase diabólicos.”

É claro que eu não cheguei a conhecê-la pessoalmente e, talvez, por isso nunca tenha tido “febre e taquicardia” como o escritor gaúcho. Só que ela também sempre causou em mim uma perturbação com seus textos, suas analogias profundas, suas personagens sofridas, suas frases enigmáticas e seus desabafos literais. Eu nunca consegui dizer “gostei”, mesmo compartilhando, vez ou outra, daquela “felicidade clandestina”.

Continuar lendo “Vamos conversar sobre Clarice Lispector?”

Carlos Ruiz Zafón e a arte de contar histórias

O escritor espanhol mais vendido deste século foi, talvez, o que melhor descreveu o amor pelos livros e o desafio que representa esse ofício de se debruçar sobre palavras para criar histórias de ficção ou não-ficção. Antes de se tornar escritor, aliás, ele fez carreira em Publicidade, abandonando esta profissão aos 28 anos para se dedicar ao seu sonho.

Além de conflitos incrivelmente emaranhados, a saga O Cemitério dos Livros Esquecidos, cujas obras podem ser lidas de forma independente, tem como protagonistas ou coadjuvantes escritores, que descrevem, em várias passagens, o poder das histórias e o romântico, porém penoso, trabalho para criá-las.

Em O Jogo do Anjo, um dos títulos da série, Carlos Ruiz Zafón ensina:

1. “O que quero é que encontre um modo inteligente e sedutor de responder às perguntas que todos fazemos e que o faça a partir de sua própria leitura da alma humana, pondo sua arte e seu ofício em prática. Quero que me traga uma narrativa que desperte a alma humana.”

2. “[as fábulas] Ensinam que os seres humanos aprendem e absorvem ideias e conceitos através de narrativas, de histórias, e não de lições magistrais ou discursos teóricos. Esse mesmo ensinamento é transmitido por qualquer texto religioso. Todos eles são relatos de personagens que enfrentam a vida e superam obstáculos, figuras que embarcam em uma viagem de enriquecimento espiritual através de peripécias e revelações. Todos os livros sagrados são, antes de qualquer coisa, grandes histórias cujas tramas abordam os aspectos básicos da natureza humana, situando-os em um contexto moral e no limite de determinados dogmas sobrenaturais.”

3. “A inspiração virá quando fincar os cotovelos na mesa, o traseiro na cadeira e começar a suar. Escolha um tema, uma ideia, e esprema o cérebro até doer. É isso que se chama inspiração.”

4. “A literatura, pelo menos, a boa, é uma ciência com sangue de arte. Como a arquitetura ou a música. (…) A única coisa que brota sem mais nem menos é pelo e verruga.”

5. “Um escritor nunca esquece a primeira vez que aceita algumas moedas ou um elogio em troca de uma história. Nunca esquece a primeira vez que sente o doce veneno da vaidade no sangue e começa a acreditar que, se conseguir disfarçar sua falta de talento, o sonho da literatura será capaz de lhe garantir um teto, um prato quente no fim do dia e aquilo que mais deseja: seu nome impresso em um miserável pedaço de papel que certamente vai ver mais do que ele. Um escritor está condenado a recordar esse momento, porque, a partir daí, ele está perdido e sua alma já tem um preço.”

6. “Os livros tinham alma, a alma de quem os tinha escrito e de quem os tinha lido e sonhado com eles.”

Quem disse que não há verdades na ficção?

*Artigo originalmente publicado no LinkedIn e no blog Mais Um Café?.

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: