Busca

Doce Viagem

O melhor da vida na nuvem

Categoria

Check-in

Correspondências da Morada do Coração Perdido

Vejam só esta história: lá na Morada do Coração Perdido, mais especificamente no nº 564 da Rua Lopes Chaves, na Barra Funda, em São Paulo, há um petisco da correspondência trocada por Mario de Andrade com amigos. A minha preferida, até o momento, é a de um modernista menos popular que Oswald e Tarsila.

Continuar lendo “Correspondências da Morada do Coração Perdido”

Para viver um caso de amor

O pedido ou a poesia no banco de madeira (Foto Pessoal)

Era outubro de 2015. Um vento desaforado arrastava as folhas secas pelo chão de concreto e  insistia em embaralhar os galhos das árvores que ciceroneiam os visitantes da Igreja da Santíssima Trindade, em Stratford-upon-Avon. Frank e Ivy passaram, provavelmente, muitas vezes por ali. Deixaram sua presença gravada em um banco de madeira, uma história que passa despercebida por olhares apressados, que pouco registram a natureza abundante ao redor daquele templo.

Continuar lendo “Para viver um caso de amor”

A verdadeira história do condor-dos-andes

Pablo e Matilde na foto que ilustra a capa do livro de memórias da cantora e terceira esposa do poeta chileno

Não é possível passar pelo Chile e não (re)conhecer Pablo Neruda. O poeta do amor foi o verdadeiro condor-dos-andes, assim como sua última esposa, Matilde Urrutia, também foi a perfeita expressão desta ave imponente, cujas características são motivo de orgulho nacional. Continuar lendo “A verdadeira história do condor-dos-andes”

Monte de São Miguel: sangue, suor e entrega

IMG_4057

Chegar ao topo do Mont de Saint-Michel, ou Monte de São Miguel, é um perrengue. O local está a 350 km de Paris, na divisa da Normandia com a Bretanha. E chegar no topo significa muita escada – daquelas que deixam as pernas torneadas e, a cada distração, uma lasca do corpo no muro de pedra. Uma parte do meu dedinho da mão esquerda eu deixei lá. Fui olhar o cemitério, veja só que ironia, tropecei e… desequilibrei! O coração acelerou, mas foi só um sustinho e um raspão na mão. Um pouquinho de sangue, mas nada que outro tantinho de saliva não resolva. O visual cura. O Arcanjo lá do alto mata o dragão e cura tudo.   Continuar lendo “Monte de São Miguel: sangue, suor e entrega”

Memórias de outra vida?

Ou só de uma menina, que sentava no fundo da sala, enquanto ouvia o professor de cabelos tão brancos quanto a neve falar sobre planícies, pampas, rochas, picos, formações vulcânicas e montanhas? Continuar lendo “Memórias de outra vida?”

A nova velha órbita

img_3714
‘A Testa di Madonna’ faz parte da coleção da Galleria Estense, de Módena, e está em exposição no Centro Cultural Fiesp. A autoria da obra, que traz a cabeça da Virgem inclinada para algo que não podemos ver, só foi reconhecida após a última restauração, em 2010.

Os primeiros pingos de chuva começavam a cair quando adentrei no corredor escuro em busca de uma história de fim trágico. Afinal, o protagonista morreu jovem, aos 37 anos, vítima de uma febre tão abrupta quanto vigorosa.  Continuar lendo “A nova velha órbita”

Quando a saudade é eterna

É na Rua Paulo Pedro Heidenreich que a nobre senhora fincou raízes. Desde então, divide sua atenção entre a civilização e a natureza pulsante do sul da ilha onde vive. Seus dias são preenchidos pelo brado das gaivotas, pelo ronco dos motores dos automóveis e pelos sussurros dos pescadores. Com os fragmentos de histórias trazidos pelo vento indócil, ela se deleita e revive as memórias e a saudade eterna de quem lhe deu a vida. Continuar lendo “Quando a saudade é eterna”

A beleza de ser quem se é

Há quem diga que lhe falta vaidade, pois uma maquiagem aqui, um retoque ali, lhe rejuvenesceria. Há quem a julgue desinteressante só porque não se rende a títulos e modismos.  Tem, ainda, quem questione sua ambição, ou a falta de, já que não se dá ao trabalho de abarrotar a agenda de compromissos e viver na correria. Ela é assim: não dita regras, não ostenta, não quer impressionar nem convencer ninguém de nada. Não cria inimizades, tampouco desafetos; não se ofende com comparações nem cria caso por isso. Ela é o que é e ponto.  Continuar lendo “A beleza de ser quem se é”

Blog no WordPress.com.

Acima ↑

%d blogueiros gostam disto: